Tráfico de drogas contamina fruticultura potiguar

Apreensões foram à semana passada (Foto: cedida)

A atuação de facções criminosas no Rio Grande do Norte, já não bastasse o derramamento de sangue em disputas por territórios de tráfico de drogas e outros crimes, atinge também uma das mais importantes atividades econômicas do Estado e da região de Mossoró: fruticultura irrigada.

A suspensão de exportações de frutas pelo Porto de Natal, comunicada ao Comitê Executivo de Fruticultura do RN (COEX) pela empresa francesa CMA CGM, é consequência da apreensão de mais de 3,2 toneladas de cocaína no porto potiguar pela Polícia Federal e Receita Federal, nos últimos dias 12 e 13.

As informações, preliminares apontam que frutas e drogas seriam procedentes de Pernambuco e cargas desembarcariam na Holanda, Porto de Roterdã.

A armadora também exige scanner no porto de Natal para perscrutar contêineres, que custa R$ 11 milhões.

Imagem

Com a paralisação por tempo indeterminado da única transportadora de produtos do Estado para a Europa, porque as apreensões “estariam sujando a imagem da companhia”, os produtores potiguares terão que recorrer ao Porto do Mucuripe (CE), onde a CMA CGM também atua.

Essa logística aumentará custos, diminuirá competitividade dos fruticultores e reduzirá arrecadação estadual.

“Enfim, todos perdem”, observa o presidente do Coex, Luiz Roberto Barcelos, em entrevista ao jornal Tribuna do Norte.

Acompanhe o Blog Japi na Web pelo Facebook Aqui

Esta entrada foi publicada em Administração publica. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *