Seis deputados atuais são os mais citados à Câmara Federal

Mas a enorme maioria dos eleitores – 92,47% – não tem preferência alguma, diz pesquisa 98.9/Consult.

A pesquisa FM 98.9/Instituto Consult, que ouviu manifestação do eleitor do estado para governo estadual, Senado e também fez avaliações administrativas, incluiu incluiu no questionário uma sondagem quanto à Câmara Federal e Assembleia Legislativa.

Walter, Fábio, Jácome, Zenaide, Beto, Rafael, Felipe e Rogério Marinho estão citados na pesquisa (Fotos: arquivo)

O trabalho de foi realizada entre dias 24 e 27 de fevereiro, com 1700 entrevistas em todo o Estado.

A margem de erro é de 2,3% para mais ou para menos.

Veja no boxe abaixo os números relativos à Câmara Federal. Entre os nomes mais citados, seis são atuais deputados federais, como Zenaide Maia (PR), em primeiro lugar, Felipe Maia (DEM), Fábio Faria (PSD), Walter Alves (MDB), Betinho, ou “Beto Rosado” (PP), Rafael Motta (PSB). Antônio Jácome (PMN) e Rogério Marinho (PSDB) estão mais embaixo.

É importante ser destacado, que a pesquisa é na modalidade “Espontânea” (quando o entrevistado cita algum nome de memória, sem ter qualquer opção).

Outro aspecto a ser visto, é que a margem de erro em levantamentos dessa natureza é sempre muito grande, sobretudo em face de distância tão expressiva ainda do pleito, a indefinição quanto a chapas proporcionais e majoritárias, alianças etc.

Não se deve esquecer que a eleição à Câmara Federal, como à Assembleia Legislativa, é “proporcional”. Envolve uma equação que passa pelo quociente eleitoral (divisão dos votos válidos pelo número de vagas).

Eleitor ignora disputa

Nessa pesquisa, também é natural que não se tenhamos maiores definições quanto a nomes, prevalecendo que a enorme maioria não tem qualquer preferência. Não Sabe Dizer aparece com 68,94% e Nenhum 23,53%. Dá o total de 92,47% dos eleitores não têm preferências.

É um percentual expressivo demais, porém compreensível em face do profundo desgaste da classe política, dos políticos e partidos. Ser citado pode servir para comemorações, mas o contrário não significa qualquer desastre.

Como o Blog já sentenciou, são duas as maiores dificuldade de um candidato este ano: convencer o eleitor a sair de casa para votar e ganhar seu voto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *