Segmento empresarial clama por segurança no estado

Entidades empresariais representativas da atividade produtiva, no Rio Grande do Norte, manifestaram-se hoje (sexta-feira, 22), em relação à insegurança “institucionalizada” no estado, com o “aquartelamento” da Polícia Militar e “Operação Padrão” da Polícia Civil.

Arrombamentos e saques, arrastões, roubos de veículos e assaltos são rotina (Foto Sérgio Henrique Santos-Inter TV Cabugi)

Arrombamentos, saques, assaltos, arrastões, roubos de veículos pipocam principalmente na Grande Natal.

Veja abaixo a reação do empresariado:

Exigimos o direito de poder trabalhar com segurança

Nos últimos dias, temos visto, estarrecidos e indignados, o nosso Estado e, em particular, a cidade do Natal, registrarem atos que em muito se assemelham à barbárie.

Criminosos têm promovido verdadeiros “arrastões” e invasões a estabelecimentos comerciais espalhando terror e apreensão em todos nós.

Com isso, além dos prejuízos materiais dos estabelecimentos invadidos, vimos a população, tomada pelo medo, evitar sair de casa, esvaziando as ruas e trazendo ainda mais perdas para o comércio.

O turismo também se vê extremamente prejudicado visto que, diante das notícias do clima de insegurança que paira sobre a cidade, operadoras e hotéis já começam a registrar pedidos de cancelamento de pacotes por parte de turistas que estavam prontos para aportar em nosso estado.

Ressalte-se ainda que, no caso do comércio, a situação ganha contornos ainda mais graves, em virtude do período do ano que vivemos. Uma época em deveríamos estar contabilizando o aquecimento das nossas vendas e tentando tomar um mínimo de fôlego, já no final de um ano que foi, novamente, muito difícil para todos.

Com todo este quadro, nunca é demais lembrar que está sendo criado um perigosíssimo círculo vicioso. Sem segurança, comércio, serviços e turismo não faturam. Como eles representam 60% do ICMS pago aos cofres públicos e respondem por metade dos empregos gerados neste Estado, se eles não faturam, fica muito claro que o Estado também vê suas receitas despencarem.

Sem receita, não há como honrar compromissos, como os pagamentos de salários e a fornecedores ou o investimento na melhoria das estruturas de segurança e saúde, apenas para citar dois pontos.Por tudo isso, as entidades abaixo assinadas vêm a público externar sua enorme preocupação com a situação que estamos vivendo e exigir das autoridades que sejam adotadas providências urgentes, no sentido de garantir aos empresários o direito de poder trabalhar com segurança e seguir gerando emprego e renda.

Também reforçamos o apelo aos agentes públicos de segurança que procurem olhar esta situação também com estes olhos. A nós parece muito claro que, somente com união iremos transpor todas as dificuldades.Esperamos que os Poderes Públicos, todos eles, assumam suas responsabilidades. E que cumpram o seu papel de nos deixar trabalhar em paz.

– Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do RN (Fecomércio RN)

– Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do RN (FCDL RN)

– Federação das Associações Comerciais do RN (Facern)

– Câmara dos Dirigentes Lojistas de Natal (CDL Natal)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *