Promoção de filho de Mourão causa revolta entre funcionários do Banco do Brasil

A promoção do filho do vice-presidente Hamilton Mourão causou revolta no corpo técnico do Banco do Brasil. Ela foi feita um dia depois de o presidente Jair Bolsonaro dizer que pela primeira vez, os bancos públicos tinham sido blindados de nomeações políticas. Bastou o novo presidente do BB, Rubem Novaes, assumir o cargo para alçar Antônio Hamilton para o cargo de assessor especial.

O ex-ministro do Turismo Alberto Alves também será nomeado para a assessoria do novo comandante do banco. Ele ocupou o cargo de ministro como interinamente no governo Michel Temer. E também foi diretor de Relações Institucionais da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automores (Anfavea). O seu nome foi citado na Operação Zelotes numa troca de e-mail com um lobista, mas ele não se tornou réu no processo.

No caso de Antônio Hamilton, a promoção significa um aumento imediato de 157% no salário. Quando era da diretoria de Agronegócios ganhava R$ 14 mil. Agora, receberá R$ 36 mil como assessor do presidente. Apesar de ter causado revolta a sua nomeação, há quem defenda o funcionário.

Ele teria sido preterido na carreira por ser filho de Mourão no governo Dilma Rousseff. Depois da eleição do pai, se tornou uma personalidade dentro do BB. Além do nome, ele se parece bastante com o vice-presidente da República.

— Ele carrega o peso do nome do pai para o mal e para o bem — resumiu um colega. (EXTRA)

Acompanhe o Blog Japi na Web pelo Facebook Aqui

Esta entrada foi publicada em Entretenimento. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *