Papa Francisco alerta para o terrorismo da fofoca: ‘mordam a língua’

O papa Francisco visitou neste sábado (2) um abrigo para órfãos, mães solteiras e idosos em Dhaka, como parte de seu último dia de viagem a Bangladesh. A instituição foi fundada nos anos 1970 por Madre Teresa para acolher mulheres que engravidaram após serem estupradas por soldados paquistaneses durante a guerra de independência do país. Madre Teresa foi canonizada em 2016. Em um discurso improvisado, o papa pediu a padres e freiras que atentassem para os perigos do “terrorismo da fofoca”. “Quantas comunidades religiosas já foram destruídas por causa do espírito da fofoca? Por favor, mordam a língua”, disse.A fala foi considerada uma opção leve para encerrar uma viagem marcada por tensões. Na sexta-feira (1º), Francisco se reuniu na capital de Bangladesh com 18 refugiados da minoria muçulmana rohingya. Foi a primeira vez que o papa se referiu a eles pelo nome desde o início de sua viagem à Ásia. “A presença de Deus hoje também se chama rohingya”, declarou ao término do encontro com os muçulmanos que fugiram da onda de violência em Mianmar, país vizinho e de maioria budista.

“Deixe-nos continuar a fazer a coisa certa e a ajudá-los. Vamos continuar a trabalhar para garantir que seus direitos sejam reconhecidos”, disse o papa. “Não deixemos que nossos corações se fechem, não vamos virar o rosto”, acrescentou. Até então, Francisco não havia mencionado a palavra “rohingya”. O Vaticano temia que isso pudesse motivar ataques contra cristãos em Mianmar. Mais de 620 mil rohingya fugiram para Bangladesh desde o fim de agosto. A ONU e os EUA acusam o Exército birmanês de fazer uma “limpeza étnica” contra o grupo. (Folhapress).

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *