O amor ao próximo

O amor ao próximo “E eis que se levantou um certo doutor da lei, tentando-o, e dizendo: Mestre, que farei para herdar a vida eterna? E ele lhe disse: Que está escrito na lei? Como lês? E, respondendo ele, disse: Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças, e de todo o teu entendimento, e ao teu próximo como a ti mesmo. E disse-lhe: Respondeste bem; faze isso, e viverás.”  Lucas 10. 25 – 28

Diz a Palavra que um doutor da Lei se dirigiu a Jesus, com a intenção de tentá-lo, e lhe fez um questionamento de como deveria agir para conseguir a vida eterna. Jesus devolveu a sua pergunta arguindo-o do que dizia as Escrituras a respeito daquele assunto e arrematou com outro questionamento, de qual era a sua opinião respeito.  Ele respondeu dizendo de deveríamos amar a Deus como todo o nosso coração, com toda da nossa alma, com todas as nossas forças e com toda a nossa mente e, ao próximo, como amamos a nós mesmos. Jesus lhe disse que ele estava absolutamente certo e agindo dessa forma ele viveria, mas o mestre não se dando por vencido questionou a respeito de quem seria o nosso próximo. Então o Senhor respondeu através de uma parábola, dizendo que um homem estava indo de Jerusalém à Jericó e durante a sua caminhada foi assaltado e os ladrões tiraram a sua roupa, deram-lhe uma surra e o abandonaram prestes a morrer.  Nesse meio tempo veio passando por ali um sacerdote e quando viu o homem naquela situação, quase morrendo, mudou a trajetória do seu caminho e passou pelo outro lado do local onde se encontrava o ferido. Um pouco mais tarde passou outra pessoa, um levita, que agiu da mesma forma e foi-se embora. Entretanto, outra pessoa de origem samaritana, que estava de viagem, ao ver aquela cena ficou com compaixão daquele cidadão e se aproximou dele, limpou os seus ferimentos com vinho e azeite e cobriu seus machucados. Não satisfeito com essa atitude foi mais além, colocou a pessoa em cima do seu cavalo e o transportou para uma estalagem, onde continuou a cuidar dele. No dia seguinte deu um dinheiro ao dono da pensão para que cuidasse do ferido, disse que voltaria e, caso o dinheiro não fosse suficiente, ele pagaria o restante na sua volta. Nesse momento Jesus volta a perguntar ao doutor da Lei qual, em sua opinião, seria o próximo do homem assaltado. A resposta foi de que seria aquele que tinha prestado socorro àquele homem, então, o Senhor disse para ele ir embora e agir da mesma forma.

Essa parábola nos mostra as atitudes de três pessoas, o sacerdote, o levita e o samaritano. Os dois primeiros, apesar de virem que o homem precisava de ajuda procuram passar ao largo para não se envolverem no caso e o terceiro agiu de maneira completamente diferente, se envolveu por inteiro no problema ajudando aquele homem e, com certeza, salvando a sua vida. Esse texto nos fala de amor e do próximo e nos leva à reflexão do que seria amar o próximo. Na grande maioria das vezes, quando falamos de amor somos levados a pensar de pronto no sentimento, porém gostaríamos de enfatizar que o amor ao próximo fala muito mais de comportamento. É lógico que o samaritano teve pena daquele homem, teve compaixão de vê-lo naquela situação, quase morto, sem roupa, cheio de ferimentos e prestes a morrer, mas a pergunta que devemos fazer é: “Será que o sacerdote e o levita também não tiveram?” Não podemos responder em virtude de a Bíblia não falar nada a esse respeito, porém não seria nenhum absurdo pensar que sim. O que fez a diferença para a vida daquela pessoa não foi o sentimento e sim o comportamento do samaritano. Ele sentir pena e agir da mesma forma que o sacerdote e o levita de nada teria adiantado para a vida do homem assaltado, o que realmente fez toda a diferença foi a sua atitude de descer do seu cavalo, cuidar dele, levá-lo para a pensão, continuar cuidando e ainda deixar dinheiro e a recomendação para que ele fosse cuidado, isto é, o seu comportamento diante daquele quadro. Muitas vezes muitos de nós, quando procurados em alguma situação por alguém, ficamos muito penalizados, solidários, oramos, mas a grande mensagem desse texto é que agir assim talvez não seja o suficiente. É lógico que nem sempre é possível ter uma atitude diferente, porém o que precisamos estar atentos é para o fato de que em muitas ocasiões podemos fazer algo mais, ou seja, podemos ter um comportamento diferente e irmos além de simplesmente nos solidarizar, orar ou ficar com pena. O nosso comportamento é fundamental em diversas questões e, em determinadas ocasiões não é necessária muita coisa, o problema é que, como o sacerdote e o levita, não queremos sair do planejamento que criamos e, em determinadas situações. se formos realmente ajudar, é o que acabará acontecendo, então por conta disso, deixamos de fazer aquilo que poderíamos.

Pense nisso. (Palavra Fiel)

autoescolar3a1banner

Esta entrada foi publicada em Reflexão. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *