Longe de ser unanimidade, Max se aproxima de marca histórica no América

Após os 4 gols anotados diante do Serrano-PB na abertura da Série D, ‘Homem de Pedra’, como é conhecido, está precisando de outros 9 tentos para se tornar o maior artilheiro da história rubra

Quando chegou pela 1ª vez ao América, em 2006, o atacante Max jamais imaginaria que, 13 anos depois, continuaria prestigiado dentro do clube. Herói do acesso para a Série A naquele ano, marcando gol no jogo decisivo contra o Atlético-MG, o camisa 9 está se aproximando, em 2019, de uma marca importante com a camisa rubra: o topo da lista de artilheiros.

A proximidade de Max com o 1º lugar na história dos goleadores americanos, apesar de muito evidente, ficou mais forte no último fim de semana por consequência dos 4 gols que ele marcou diante do Serrano-PB, pela 1ª rodada da Série D. Esses 4 tentos, somados aos 73 que já havia marcado pelo clube, lhe deixaram a apenas 8 de distância do topo.

Max (2º da direita para a esquerda) celebrando acesso do América para a Série A, em 2006. (Foto: Reprodução / Vermelho de Paixão)

Atualmente, o goleador máximo da história rubra é o lendário atacante Helinho. Famoso por sua velocidade e eficácia na frente do gol, o “baixinho”, como era conhecido, marcou 85 vezes com a camisa do América. Aposentado há mais de uma década, ela vê pela primeira vez o trono que ocupa bastante ameaçado, mas, imagina-se, sem remorsos.

Max Brendon Costa Pinheiro, hoje com 35 anos, está em sua sexta passagem pelo América. A primeira, como dito, foi em 2006. Depois surgiram outras em 2007, 2009, 2011 e 2012 (tendo esta última durado até meados de 2015). No currículo, além do acesso para a Série A em 2006, tem também um acesso para a Série B em 2011 e dois títulos estaduais: 2015 e 2019.

Cenas de Max comemorando gols pelo América já repetiram 77 vezes de 2006 até aqui. (Foto: Canindé Pereira / América FC)

Natural de São Luís no Maranhão, o “Homem de Pedra”, considerado ídolo americano (embora nunca tenha sido unanimidade entre os torcedores, mas querido por boa parte deles), foi revelado pelo Tocantinópolis-TO, mas viveu suas melhores e preferidas fases sempre com a camisa do América, em Natal.

Além da equipe que lhe lançou no futebol, ele acumula passagens por outras agremiações como Corinthians-AL, Palmeiras-SP, Paraná-PR, Náutico-PE, Boavista-RJ, Caldense-MG, Sampaio Corrêa-MA, Guarani-SP, Cabofriense-RJ, Inter de Lages-SC e, no ano passado, o Globo de Ceará-Mirim, onde marcou 5 gols durante a Série C do Brasileirão.

Max, ao lado de Rodrigo Pimpão, celebrando gol diante do Atlético-PR na Copa do Brasil de 2014. (Foto: Nuno Guimarães)

Para marcar os 9 gols que lhe faltam e assumir a ponta da artilharia máxima americana, Max tem garantido neste momento outros 5 jogos nesta temporada que serão pela 1ª fase da Série D (dois contra o América-PE, dois contra o Bahia de Feira-BA e um contra o Serrano-PB). Caso o time avance no torneio, surgirão outras oportunidades, de acordo com a sequência. (Agora RN)

Acompanhe o Blog Japi na Web pelo Facebook Aqui

Esta entrada foi publicada em Esporte. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *