Fiesp vai recorrer para impedir tabelamento do frete rodoviário

Roriz Coelho disse acreditar que o governo tomou as decisões no calor dos acontecimentos, durante a paralisação dos caminhoneiros

A Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) vai recorrer à Justiça, por meio de um mandado de segurança, para impedir o tabelamento do frete rodoviário, anunciado pelo governo na negociação para interromper a greve dos caminhoneiros na semana passada.

“Independentemente de qualquer coisa, por princípios, somos contra o tabelamento de preços, que fere a lei de competitividade do mercado. Estamos retornando a um país de 30 anos atrás”, afirmou José Ricardo Roriz Coelho, que assumiu nesta quarta-feira (6) a presidência da Fiesp no lugar de Paulo Skaf, que se licenciou para disputar o governo de São Paulo.

“Centenas de empresas estão vindo até nós para falar que com o tabelamento haverá aumento de 30% até 150% no preço final dos produtos e quem vai acabar arcando com isso será o consumidor. O governo quer resolver um problema e está criando outros”, afirmou.

Ele também criticou a alteração no Reintegra, que devolvia 2% do valor exportado em produtos manufaturados por meio de créditos de PIS/Cofins e terá o percentual reduzido para 0,1%.

“As exportadoras têm contratos de longo prazo, fizeram todo o planejamento deste ano com o Reintegra a 2%. E agora? , questionou Roriz Coelho.

Coelho afirmou que ainda calcula as perdas com a reoneração da folha de pagamentos para as empresas. Esse quadro, disse, gera muita insegurança. “As medidas criam dúvidas, mudam regras no meio do caminho e, se o objetivo é retomar o crescimento do país, como fazer isso criando essa insegurança toda”, afirmou.

Roriz Coelho disse acreditar que o governo tomou as decisões no calor dos acontecimentos, durante a paralisação dos caminhoneiros, e passado esse primeiro momento, vai perceber que muitas delas terão de ser revistas. (Folhapress).

Esta entrada foi publicada em Economia. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *