Bombas não refletem corte no preço do diesel em 10 estados e no DF

A média nacional registrou queda de apenas R$ 0,11 na comparação com a semana anterior à greve dos caminhoneiros

O preço do combustível continua mais alto do que antes da greve dos caminhoneiros em pelo menos quatro estados brasileiros e no Distrito Federal. Embora tenha havido concessão de subsídios ao óleo diesel, a redução nos preços não chegou nas bombas.

Segundo destaca a Folha de S. Paulo, o governo Michel Temer fez acordo com os caminhoneiros e concedeu subsídio de R$ 0,30 ao preço do diesel nas refinarias e importações e reduziu impostos, com a promessa de cortar o preço na bomba em R$ 0,46 por litro. Em seis, o preço caiu menos de R$ 0,10.

A média nacional registrou queda de apenas R$ 0,11 na comparação com a semana anterior à greve dos caminhoneiros, de acordo com a pesquisa semanal de preços da ANP (Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis).

Em outros seis estados (Bahia, Mato Grosso, Pará, Paraíba, Roraima e Tocantins) a redução com relação ao valor vigente antes da greve dos caminhoneiros é menor do que R$ 0,10 por litro. Na Paraíba, foi de apenas R$ 0,01.

As maiores quedas registradas pela ANP foram no Amapá (R$ 0,25 por litro) e em Sergipe (R$ 0,25 por litro). Em São Paulo, a redução média no preço do diesel foi de R$ 0,12 por litro.

A pesquisa da ANP indica que, em Pernambuco, Acre, Alagoas e Maranhão, o diesel ainda está mais caro do que antes da paralisação.

A greve provocou crise de desabastecimento e os preços dispararam depois do início da paralisação.

A Folha destaca ainda que o governo federal reconheceu que os repasses não chegariam a R$ 0,46 em um primeiro momento, limitando-se ao máximo de R$ 0,41 por litro. O restante dependeria de renovação de estoques dos postos e corte de impostos estaduais.

Esta entrada foi publicada em Economia. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *